Algumas horas depois do encontro

 M A N H Ã

Era o dia perfeito para o final de novembro. Chovia e a temperatura estava amena.

A noite de sono havia sido boa, não fosse por um pequeno deslize durante a madrugada, resultando em um encontro de seu nariz com a parede.

Seria uma boa sexta-feira, pensou ele enquanto olhava para o céu.

 T A R D E

A chuva havia dado uma trégua para o sol, e o céu exibia cores tristes amareladas. As árvores ainda com as remanescentes gotas, e o som dos carros em movimento. Ele olhou para esse cenário. Havia algumas pessoas andando na mesma calçada em que ali se encontrava, mas elas continuavam absortas em seu mundo.

Passado alguns minutos, se encontrou com seus pais, e juntos compartilharam um almoço, não tão delicioso, em um tampouco lugar prazeroso. Despediram-se. Sua mãe continuou fazendo-lhe companhia. Foram para um passeio. Os dois, à sós, como nos velhos tempos, de circulares suburbanas durante o período chuvoso.

O ambiente dessa vez era outro. A tranquilidade de um veículo. O conforto de bancos de couro. O som estéreo tocando música que conforta.

Chegaram em seu destino, os dois, com euforia, e nostalgia. O veículo fora estacionado, e subiram a escada rolante. A música natalina já podia ser ouvida ao fundo, e pessoas apressadas andavam pelos corredores. Logo, os dois se juntaram a essas pessoas, e então eram pertencentes ao mundo.

A cafeteria da sereia de duas caldas se apresentou logo para os dois, que adentraram ao som de Nina Simone, e lá ele o viu, com seu chá gelado, de polo amarela, e seu mesmo olhar. Esse olhar que o encarou por quatro segundos, e depois encontrou no chão o seu refúgio, até que se retirasse do local.

Ele olhou para sua mãe, e com palavras sem nexo, desculpou-se para sentar-se. Sua mente não lhe obedecia, nem seu corpo.

N O I T E

Ele estava deitado, e a claridade do céu cinza lameado o deixou nauseado. Fechou a janela.

O silêncio da casa só para si o deixava mais confuso. Mais atormentado por seus pensamentos.

Ele o havia encontrado. Depois de tanto tempo, ele o havia encontrado. E o que se encontrava inacabado, permaneceu inacabado, mas com novas possibilidades. Possibilidades que não lhe entregavam nada saudável, nem positivo. Ele, logo após o encontro, entendeu que o mundo em que se encontrava com sua mãe, momentos antes onde estavam, não pertencia a ele. Ele fora roubado: coração, pensamentos, movimentos, ações.

Ele fora roubado, e só nesse dia de chuva e temperatura amena percebeu que era muito mais que simples palavras.

Seu mundo estava estático. E em um loop Bibio era reproduzido, enquanto tudo ficava distante, inclusive ele de si próprio.

Anúncios

0 Responses to “Algumas horas depois do encontro”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Leo. O dono dos pensamentos aqui depositados.

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 10 outros seguidores

novembro 2015
D S T Q Q S S
« jun   dez »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

Blog Stats

  • 10,770 hits

%d blogueiros gostam disto: