Archive Page 2

Meninas da cidade cantam sobre

É pungente essa solidão que me cerca. Cada pôr do sol é um lembrete. Eagles também deixa o recado no som estéreo, e como dói.

Um dia desses assistia a uma reportagem na televisão, o programa, que busca pessoas aleatórias em seus embarques e desembarques no principal aeroporto do país, entrevistava um casal. O homem contou que esperava seu irmão que vinha da Austrália para o enterro da mãe. Ele descreveu de forma emotiva a convivência com ela, e como havia sido estranho naquela mesma manhã tomar café. Disse ele que todas as manhãs ele e sua mãe compartilhavam aquele momento. Um café e um diálogo.

Esse voyeurismo levou-me a uma realidade que me cerca: o medo de perder minha mãe. E não digo somente no sentido fatal, mas de perder esses momentos. Esses pequenos momentos que criam memórias.

A solidão que me acompanha, com esse medo de perder alguém tão importante, tem resultado em comportamentos reclusos, marginalizados e obscuros – algumas vezes -. Fico impotente diante do agora e do amanhã, e sei que não deveria. Mas tudo o que eu desejo é guardar esse tempo, esse laço que tenho com minha mãe, em um local seguro de qualquer ameaça, e poder viver da forma pura e bela, assim como aquele homem tinha com sua mãe dividindo um café pela manhã. Não estou pronto para um adeus. Nem mesmo que seja um adeus de quilômetros.

Anúncios

Fechei os olhos.

Mesmo com o mormaço lá fora, dentro de mim eu conseguia sentir o vento gélido e ouvir o som das ondas quebrando.

Aquele desejo que eu sempre tive, tão vívido em minha infância. O sentimento de não pertencimento, agora entendido. Demorou anos. Vinte e quatro, para ser mais específico. Mas ali estava eu. Inteiro.

Tão fácil. Tão difícil.

Tão leve. Tão pesado.

Escolhas. Decisões.

Na vida há sempre o A e o B. Isso não é fácil para mim. Tomar essas decisões. Parece que sempre deixei algo muito importante de lado. Sempre tive medo de uma decisão ser errônea, e eventualmente perder oportunidades. Resultado: perdi muitas oportunidades.

Talvez quando eu abrir os olhos eu tenha mais forças. Talvez agora que algo está mais claro – e específico -, eu tenha mais coragem. Talvez essa seja a solução. Encontrar a coragem. Ou deixar de lado o medo de viver. De qualquer forma, começarei por tomar uma decisão. E bá, eu acho que sei muito bem qual vai ser ela.

Algumas horas depois do encontro

 M A N H Ã

Era o dia perfeito para o final de novembro. Chovia e a temperatura estava amena.

A noite de sono havia sido boa, não fosse por um pequeno deslize durante a madrugada, resultando em um encontro de seu nariz com a parede.

Seria uma boa sexta-feira, pensou ele enquanto olhava para o céu.

 T A R D E

A chuva havia dado uma trégua para o sol, e o céu exibia cores tristes amareladas. As árvores ainda com as remanescentes gotas, e o som dos carros em movimento. Ele olhou para esse cenário. Havia algumas pessoas andando na mesma calçada em que ali se encontrava, mas elas continuavam absortas em seu mundo.

Passado alguns minutos, se encontrou com seus pais, e juntos compartilharam um almoço, não tão delicioso, em um tampouco lugar prazeroso. Despediram-se. Sua mãe continuou fazendo-lhe companhia. Foram para um passeio. Os dois, à sós, como nos velhos tempos, de circulares suburbanas durante o período chuvoso.

O ambiente dessa vez era outro. A tranquilidade de um veículo. O conforto de bancos de couro. O som estéreo tocando música que conforta.

Chegaram em seu destino, os dois, com euforia, e nostalgia. O veículo fora estacionado, e subiram a escada rolante. A música natalina já podia ser ouvida ao fundo, e pessoas apressadas andavam pelos corredores. Logo, os dois se juntaram a essas pessoas, e então eram pertencentes ao mundo.

A cafeteria da sereia de duas caldas se apresentou logo para os dois, que adentraram ao som de Nina Simone, e lá ele o viu, com seu chá gelado, de polo amarela, e seu mesmo olhar. Esse olhar que o encarou por quatro segundos, e depois encontrou no chão o seu refúgio, até que se retirasse do local.

Ele olhou para sua mãe, e com palavras sem nexo, desculpou-se para sentar-se. Sua mente não lhe obedecia, nem seu corpo.

N O I T E

Ele estava deitado, e a claridade do céu cinza lameado o deixou nauseado. Fechou a janela.

O silêncio da casa só para si o deixava mais confuso. Mais atormentado por seus pensamentos.

Continue lendo ‘Algumas horas depois do encontro’

Salve sua alma

Mesmo que tudo esteja quebrando,

salve sua alma.

E nas noites solitárias de sábado,

salve sua alma.

Nos momentos em que o amor parece impossível,

salve sua alma.

Durante o choro,

salve sua a

l

m

a

o baixo então vai começar seu longo solo

e você vai entender,

que a vida é como uma onda, e que então

você deve se entregar como o mar.

 

E depois dessa conversa, eles nunca mais iriam se encontrar,

apenas a memória daquele tempo paradisíaco iria permanecer.

 

Salve sua alma,

para esses lembranç

[as memórias nunca não se vão.

 

O que tenho

Acordes de um violão

ou seria uma guitarra

talvez

os dois juntos

ecoavam na minha sala

e tão logo, em minha mente

e conforme as notas se apresentavam

nada mais ali estava

exceto um cachorro

e três gatos

mais um coração apaixonado.

 

 

Entre Abelhas

Entre Abelhas

Coisas estranhas começam a acontecer na vida de Bruno, um jovem de quase 30 anos que acaba de se separar da mulher. Bruno tropeça no ar, esbarra no que não vê – até perceber que as pessoas ao seu redor estão desaparecendo só para ele. Os dias correm e a situação só piora. Com a ajuda da mãe e do melhor amigo, Bruno tentará se adaptar a esse novo mundo com cada vez menos gente.

Sempre que vou ao cinema adentro um mundo novo. Cada película consegue transportar sua atmosfera para aquela sala escura e livre de sons externos, e com essa proeza, viajo para inúmeros lugares.

E quando um filme é realmente bom, não somente sou transportado para seu mundo particular, mas também trago comigo um pedaço dele. Há filmes em que passo alguns horas após seu término, ponderando sobre o que acabei de “degustar“; enquanto outros, passam-se dias, semanas, ou, em uma lista dos grandes títulos, carrego suas imagens, sons e história para sempre, me lembrando a cada dia de um título, conforme surja a associação.

E hoje, há um novo “membro” na lista dos grandes títulos: Entre Abelhas.

Quando as luzes do cinema se ascenderam, dentro de mim algo foi tirado, ou melhor seria dizer, acrescentado. O vazio, o abandono e o medo que percorre a metragem se instauraram em mim. Não de uma maneira ruim, longe disso. Apenas consegui sentir o que a personagem – ou nós mesmos – enfrenta nesses dias atribulados: estamos nos desconhecendo. Não temos controle sobre nossas ações, e muitas vezes, acabamos por adentrar em um novo estágio que nem ao menos sabemos como se sucedeu.

As redes de contatos que vamos criando, e consequentemente, núcleo de amizades/colegas/família, são embasados em algo não sólido, e que quando percebemos, estamos sozinhos, e essa “cegueira” acaba por nos tirar algo que é realmente caro, sem ao menos nos despedirmos adequadamente.

Tantas informações, e uma necessidade gritante de se chegar ao melhor lugar, ser o melhor, e conseguir ter o melhor, tem nos feito apenas mais uma “abelha” com sua tarefa designada. O único diferencial é que não somos tão perfeitos como os outros animais, e nossas falhas acabam por nos carecer de uma coisa básica: o autoconhecimento.

Estamos nos perdendo, dos outros, e infelizmente, e o pior de tudo, de nós mesmos.

Orion

Estrelas.

Noite.

Céu.

Palavras.

Olhares.

Azul.

Camisa.

Olhares.

Perfume.

Café.

8 A.M. Departure.

Estórias.

Constelações.

Azul.

Olhares.

Desejo.

Palavras.

Verdades.

Realidade.

 


Leo. O dono dos pensamentos aqui depositados.

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 10 outros seguidores

dezembro 2017
D S T Q Q S S
« nov    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Blog Stats

  • 10,789 hits